dermatite atópica

Dermatite atópica: diagnóstico e tratamento

A dermatite atópica é a mais comum das alergia cutânea caracterizada por eczema atópico e é considerada  uma doença crônica e não transmissível, caracteriza-se por pele seca, erupções que coçam e crostas. Seu surgimento é mais comum nas dobras dos braços e da parte de trás dos joelhos- que coçam, provocam vermelhidão, inchaço e descamação que incomoda bastante.

Sua causa é desconhecida e a doença não tem cura, mas o tratamento permite uma boa qualidade de vida para o paciente. Mesmo atingindo pessoas de todas as idades, é muito comum em crianças e seus sintomas podem desaparecer a idade adulta.

Como ocorre a dermatite atópica

A falta de conhecimento sobre as causas da dermatite dificulta a descoberta de sua cura. Há muitas evidências de que ela seja genética, mas há também muitas influências ambientais que devem ser consideradas, além da baixa imunidade.

A hereditariedade da dermatite atópica leva a um quadro mais amplo de atopia, no qual o paciente pode apresentar outras doenças interligadas, como asma, bronquite, rinite e alergias alimentares. Também conhecida como asma de pele, é comum que mais de um familiar apresente sintomas dessa dermatite em algum momento da vida.

Situações como o contato com poeira, pólen,  mofo,  ácaros ou  animais;  consumo de certos alimentos, roupas de lã, tecidos sintéticos, banhos muito quentes, maquiagem, uso frequente de sabonetes e de detergentes podem servir como gatilho para o surgimento dos sintomas. O paciente com dermatite crônica apresenta coceira que piora com a transpiração e erupções avermelhadas que podem formar escoriações, facilitando infecções.

Fatores emocionais como estresse, depressão, ansiedade, frustrações, raiva e baixa autoestima, também influenciam na dermatite atópica, podendo ampliar os sintomas e a dificultar o tratamento.

Tratamento da dermatite atópica

O princípio básico do tratamento da dermatite atópica é manter o paciente afastado dos fatores de risco ou reduzir seu contato com eles. Embora a doença não tenha cura, há vários tipos de terapias que ajudam a controlar seus sintomas e desenvolvimento.

Assim, é essencial que a pele esteja sempre bem-cuidada, tanto em termos de higiene quanto de hidratação, para evitar as erupções. Além disso, devem ser adotados alguns hábitos diários que visam impedir o surgimento da doença, tais como:

  • evitar o banho de água quente, que provoca uma desidratação da pele. Melhor optar por banhos frios e mornos.
  • usar creme hidratante diariamente, logo após o banho, para manter a pele macia e hidratada.
  • beber pelo menos dois litros de água por dia.
  • evitar o uso de tecidos de lã e sintéticos.
  • usar protetor ou bloqueador solar sempre que se expor ao sol, mesmo em caminhadas cotidianas.
  • usar luvas se precisar ter contato com detergentes.
  • procurar usar maquiagem moderadamente e utilize sempre produtos antialérgicos.
  • evitar o consumo de alimentos com glúten e lactose.
  • valorizar alimentos ricos em nutrientes para manter o sistema imunológico fortalecido.
  • controlar o estresse: faça mais pausas, valorize momentos com a família, passeios agradáveis e a meditação.

Os cuidados com a pele para quem sofre com a dermatite atópica são muitos, mas com a ajuda de um dermatologista, os resultados do tratamento serão bem satisfatórios.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como dermatologista em Araraquara!

Comentários

Posted by Dra. Mariana Dubrull