herpes zóster

Herpes zóster provoca alterações na pele

Apesar do nome que recebe, a herpes zóster não deve ser confundida com a herpes comum. Enquanto essa última é causada pelo herpesvírus tipo 1 ou 2, causando o herpes simplex, aquela é causada pelo vírus varicela, que também é responsável pela catapora, e consiste em uma doença mais séria que a herpes comum.

Apesar de poder ocorrer em qualquer pessoa, vale frisar que a doença em questão tem maiores chances de se manifestar em pessoas acima dos 40 anos, idosos, pacientes transplantados e portadores de HIV (infecção oportunista), pessoas que fazem uso de medicamentos imunossupressores e pessoas que tiveram catapora na infância, uma vez que o vírus permanece alojado em estado de dormência nos nervos.

Como se trata de uma infecção viral que atinge pele e sistema nervoso, os sintomas mais nítidos da herpes zóster são verificados na pele.

O vírus da herpes zóster

A principal característica do vírus que desencadeia a doença está no fato de ele conseguir “caminhar” pelo corpo humano. No entanto, pela nossa própria anatomia e pelo fato do vírus se alojar nos nervos, as lesões causadas se desenvolvem em apenas um dos lados do corpo, no direito ou no esquerdo, e essa é uma das principais características da doença.

Quando acomete crianças e jovens, a herpes zóster não costuma causar dor. No entanto, em pessoas de meia idade e idosos ela pode desencadear a nevralgia, que se caracteriza pela inflamação dos nervos pelos quais o vírus caminha, resultando em dor intensa.

Pele e herpes zóster

A doença se manifesta em forma de lesões caracterizadas por grande concentração de vesículas – pequenas bolhas preenchidas com líquidos. Dependendo do estágio, podem ser avermelhadas ou esbranquiçadas. O local mais comum para o desenvolvimento das lesões é entre as costas, onde geralmente se inicia a caminhada do vírus, e no peito.

No entanto, as lesões também podem começar nas costas e descer em direção ao glúteo e coxa ou mesmo aparecer na face, local mais delicado, que exige um tratamento mais prolongado e atento por poder causar danos no nervo óptico e desencadear problemas de visão.

Em alguns casos, especialmente em indivíduos portadores do vírus HIV, pacientes com certos tipos de cânceres e pessoas que fazem uso de medicamentos imunossupressores, o vírus causador da herpes zóster pode extrapolar a região dos nervos e se espalhar por outras áreas do corpo, requerendo um tratamento mais agressivo para o desaparecimento da herpes zóster.

Tratamento

Dados os fatores citados acima, ao menor sinal de alterações na pele com as características descritas, é importante que um dermatologista seja procurado. Além de ser um profissional médico capaz de realizar o diagnóstico da doença, ele poderá prescrever o tratamento mais eficaz para a herpes zóster, de acordo com a causa e o quadro de saúde do paciente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como dermatologista em Araraquara!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp